sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

Cuzco - Um Tesouro Andino

Dias atrás estive na cidade de Cuzco (ou Cusco, ou ainda Qosqo, numa grafia local) por mais uma vez. Já estou perdendo a conta de quantas vezes viajei prá lá. Na verdade, cada visita minha à cidade parece ser a primeira. Há sempre o que visitar, conhecer e descobrir, mesmo depois de anos de pesquisa.
Essa viagem, de certa forma, foi especial. Aliás, foi isso que me motivou a redigir essas breves linhas (como vocês devem ter percebido, ultimamente não ando tendo tempo para me dedicar ao Blog do Projeto INTI).

O motivo principal desta viagem ter sido diferente foi pelo fato de eu ter viajado sozinho. Jamais havia feito isso. Sempre viajei para aquelas regiões com amigos e grupos de turistas. Mas dessa vez, devido a diversos fatores, viajei desacompanhado. E isso me proporcionou alguns momentos inesquecíveis, que passo a narrá-los agora:

1- Um final de tarde fria sentado sozinho num banco qualquer da Plaza de Armas é inesquecível, e proporciona um prazer imenso. Fiz isso pela primeira vez na vida! Ficar naquele lugar observando o deslocar das pessoas, imaginando o que ali ocorreu há centenas de anos durante as grandes batalhas entre Incas e Espanhóis, e acompanhando a marcha lenta das sombras nas montanhas ao horizonte, é algo que nos traz uma sensação maravilhosa... Quem nunca fez isso, ao viajar prá lá, não perca a oportunidade!

2- Pernoitar no povoado de Ollantaytambo, numa casinha simples e rústica de uma família tradicional (onde todos falam apenas o Quechua, antiga língua dos Incas), vivendo exatamente como os antigos moradores viviam, é algo extremamente gratificante. Aproveito para registrar aqui meu agradecimento ao Sr. Ernesto Ramirez, que me convidou a conhecer sua família, e me hospedou de forma tão gentil.


3- Jantar sozinho em alguns restaurantes da cidade também tem seu lado bom e é algo bastante interessante (juro!). Além das belíssimas pizzas (!), dá tempo de redigir bastante detalhadamente o decorrer do dia no diário.

4- Em Sacsayhuamán, em meio às dezenas de turistas estrangeiros, deitar naquele gramado por horas a fio, fez-me quase sentir os tremores das batalhas que culminaram na derrocada do Império.

Enfim... uma viagem inesquecível! Aos que forem prá lá um dia, lembrem-se de pelo menos um desses meus momentos.

Não poderia terminar essas linhas, sem antes cumprimentar a todos os amigos e amigas, desejando-lhes um FELIZ NATAL, cheio de alegrias e realizações!

Pelo menos prá nós do Projeto INTI, 2008 já começará repleto de desafios. Estaremos buscando novos patrocinadores e apoiadores para mais uma etapa dos trabalhos do INTI. Dessa vez, estudaremos a agricultura de Chinchero e sua relação com a Astronomia Inca.

Isso sem falar da expedição que estamos planejando...

Fiquem ligados!
Um abraço!

Carlos H. A. Andrade
Projeto INTI-BRASIL